Um Conto #21 | Literatura Mexicana Contemporânea

13000088_1161826050535385_343668052141585253_n

A poeta Paula Abramo na apresentação durante o Eco  | Foto: Eduardo Malvacini

Como aponta o poeta e tradutor Fred Spada, na apresentação do volume que agora apresentamos, ainda é notável o descaso com que o mercado editorial brasileiro enxerga a literatura dos países hispano-americanos. “Ler em português a poesia latino-americana, em especial a contemporânea, tampouco é tarefa fácil para quem a busque em livrarias e bibliotecas (…); hoje são as revistas especializadas, os sites e os blogs internet afora que nos dão a ver esse diálogo tão fundamental para se pensar a América Latina”.

Com a proposta de se pensar a produção literária da América Latina, a Um Conto lança  sua primeira edição temática, dedicada à Literatura Mexicana Contemporânea. Os textos publicados  neste número são de poetas atuais, que estão produzindo agora, alguns deles ainda sem tradução para o português. Para o lançamento da revista, convidamos Fred Spada, responsável pelas traduções, para apresentar alguns dos textos, acompanhados da presença em vídeo dos respectivos poetas mexicanos. O evento ocorreu durante o Eco – Performances Poéticas, e o registro em vídeo pode ser acessado no canal do tradutor.

13010605_1161828830535107_2521937965542409747_n

Foto: Eduardo Malvacini

A revista foi publicada em duas versões: a clássica, com as dobras e o texto em português, e em edição bilíngue com acabamento grampo-canoa, publicado pela Editora Matinta. Os dois formatos podem ser encomendados inbox através da nossa página no Facebook. Uma edição virtual deste número pode ser encontrada no link abaixo e no canto superior direito aqui do blog.

Boa leitura.

Anúncios

Lançamento: Um Conto #21

convi

Depois de um longo período em silêncio, voltamos a editar nossa revista impressa. Para a edição número 21, preparamos uma seleção de 7 autores da recente literatura mexicana, com pouca ou nenhuma tradução no Brasil. Os 6 poemas e o conto que integram esse número foram traduzidos do espanhol pelo poeta Fred Spada, também responsável pela apresentação do volume em sua edição bilíngue, publicado pela Matinta Editora

Na próxima quinta-feira, dia 14/04, a revista será lançada oficialmente no Eco Performances Poéticas, com apresentação das traduções por Fred Spada, acompanhado de leituras em vídeo dos correspondentes mexicanos.

Em breve disponibilizaremos a edição online da revista e indicaremos pontos de venda virtuais e físicos para a edição impressa.

Os textos que integram a Um Conto #21 são: “Edith lo ama, Monsieur Gainsbourg” / “Edith o ama, Mounsieur Gainsbourg”, de Xitlalitl Rodríguez Mendoza; “El origen de la literatura” / “A origem da literatura”, de Alejandro Albarrán; “Éramos ratones,” / “Éramos ratos,”, de Óscar de Pablo; “[No nos preguntaron.]” / “[Não nos perguntaram]”, de Julieta Gamboa; “Presentación del panadero anarquista Bórtolo Scarmagnan” / “Apresentação do padeiro anarquista Bórtolo Scarmagnan”, de Paula Abramo; “[Dice]” / “[Diz]”, de Luis Felipe Fabre; e “Precipitación” / “Precipitação”, de Tania Carrera.

Abaixo, “Precipitación” em vídeo, produzido pela Plataforma Contemporánea de Arte + Cultura, na voz da própria Tania Carrera.

Um Conto | Edição 20

02

carta encontrada num sebo de estrada. se é que existem, os sebos de estrada.

prefiro observá-los, daqui, ao invés de ler o que escrevem: há tanto poema na nesga de sol que toca os óculos daquele homem, no rodar o anel daquela, nos sete degraus que seguram o chão dos pés d’um outro ali. daqui detrás das estantes desse sebo – e do alto das minhas olheiras, faço silêncio: foram tantos os que partiram esse mês. não é abril, nem fevereiro, muito menos agosto o mais cruel dos meses, como ouço falarem: é que acontece, às vezes, partir. eu mesmo, toda noite, parto. mas antes observo Ernesto no seu jardim de sombras. elas giram, em círculos, as sombras. daqui jogo pedras que somem na queda, silenciosamente. não rebatem na grama, no rio ou no chão: do momento onde não mais me pertencem, são breu. não percebo e não quero perceber os limites entre meu corpo e a pedra, que, de propósito, deixo cair (e não ouço, nunca, o baque). não leio, como disse, nem escrevo: porém anoto o que mais escuto e vejo. ter vem sendo uma palavra muito maior do que ser. e ser, sem repetições diárias, tem sido difícil. quando imagino que dos meus sapatos reverberam círculos feito pedra caída no lago (sem baque), tento respirar o máximo que posso antes que o ar termine quando o círculo imaginário tocar os limites da cidade, do país e dessa pedra flutuante que chamamos terra. feito Lino, o peixe de Patrícia, treinando respiração dentro d’água, eu vivo. no limite do verbo e o que dele, no fim, sobra, procuro a presença. mesmo que sintética, apertada como um torniquete úmido de sangue; mesmo que resumida, assisto. assisto a esse filme procurando por ela, a vida, ou por uma nesga, um baque surdo. daqui não escrevo, não leio. daqui recuo. e observo o que escrevem (principalmente quando não o fazem).

Danilo Lovisi

Paris, 20 de Agosto de 2014

*

Participaram da Um Conto – Revista de Literatura, n.20, Agosto de 2014, Danilo Lovisi, Laura Assis e Otávio Campos, no Conselho Editorial. Com poemas de Ernesto von Artixzffski, Bruna Werneck, Luca Argel, Patrícia Lino e Paulo Henriques Britto. Conto de Daniela Lima e ilustrações de Marianna Arcuri. As fotografias, na versão digital, são de Ana Clara Nunes Roberti. A revisão e arte final (versão física) são de Anelise Freitas.

Para ler a versão digital da revista, clique na imagem da capa abaixo. Para baixar o arquivo em .pdf, clique aqui.

A versão física será distribuída em breve e atualizaremos com o endereço dos locais onde estará disponível.

capa2

Lançamento: Um Conto 20

02

Estaremos, na próxima sexta-feira, 22 de agosto, lançando nossa edição número 20 no Eco – Performances Poéticas.

A  Um Conto – 20 tem poemas de Bruna Werneck, Ernesto von Artixzffski, Luca Argel, Patrícia Lino e Paulo Henriques Britto. Conto de Daniela Lima e ilustrações de Marianna Arcuri.

Se você é de Juiz de Fora ou das redondezas, pode adquirir um exemplar no Eco – Performances Poéticas, no Museu de Arte Murilo Mendes, a partir das 20h00. Nessa edição do evento contaremos com a presença dos poetas Anderson Pires da Silva, Edimilson de Almeida Pereira, Fabrícia Valle (lançando Baião de uma) e Paulo Henriques Britto, lendo seus textos.

A entrada é gratuita e o microfone é aberto.

02

Link para o evento no Facebook.

Um Conto 19 – Quem faz:

brunaQUADRO I: BRUNA BEBER

Bruna Beber nasceu em Duque de Caxias (RJ), em 1984. Publicou a fila sem fim dos demônios descontentes (7Letras, 2006), balés (Língua Geral, 2009) e a pequena coletânea rapapés & apupos (7Letras, 2012) e Rua da padaria (Record, 2013). Seus poemas já foram traduzidos e publicados na Alemanha, Argentina, Espanha, Estados Unidos, México e Portugal.

  …………………………………………..(Para ler o poema de Bruna Beber clique aqui)

 

laurindoQUADRO II: LAURINDO FELICIANO

Laurindo Feliciano é um artista e ilustrador nascido em Belo Horizonte, Brasil, em 1980. Ele colabora com revistas e jornais do mundo todo e já expôs seus trabalhos nos Estados Unidos e França, pais onde reside e trabalha desde 2003.

(Para ver as ilustrações de Laurindo Feliciano clique aqui e aqui. Para conferir sua fanpage no Facebook, aqui)

 

anaQUADRO III: ANA GUADALUPE

Ana Guadalupe nasceu em 1985 em Londrina (PR) e hoje mora em São Paulo (SP). Seus poemas foram publicados em antologias, revistas e projetos no Brasil, Espanha, México, Chile e Estados Unidos. Seu primeiro livro se chama Relógio de Pulso (7letras, 2011).

(Para ler o poema de Ana Guadalupe clique aqui)

 

júliaQUADRO IV: JÚLIA DE CARVALHO HANSEN

Júlia de Carvalho Hansen nasceu em São Paulo, em 1984. É autora dos livros: cantos de estima, alforria blues ou Poemas do Destino do Mar, e O túnel e o acordeom – diário fóssil encontrado após a explosão. Vive em Lisboa.

(Para ler o poema de Júlia de Carvalho Hansen clique aqui)

 

anamQUADRO V: ANA MARTINS MARQUES

Ana Martins Marques nasceu em Belo Horizonte em 1977. Publicou A vida submarina (Scriptum, 2009) e Da arte das armadilhas (Companhia das Letras, 2011). Com Da arte das armadilhas, foi finalista do Prêmio Portugal Telecom e recebeu o Prêmio da Fundação Biblioteca Nacional 2013

(Para ler o poema de Ana Martins Marques clique aqui)

 

aliceQUADRO VI: ALICE SANT’ANNA

Alice Sant’Anna nasceu em 1988, no Rio de Janeiro. Lançou Dobradura (7Letras, 2008), Pingue-Pongue (uma publicação independente em coautoria com Armando Freitas Filho, 2012) e Rabo de baleia (Cosac Naify, 2013).

(Para ler o poema de Alice Sant’Anna clique aqui)

 

 

laura

CONTO: LAURA ASSIS

Laura Assis nasceu em 1985 em Juiz de Fora, MG. É graduada em Letras e mestre em Estudos Literários pela UFJF. Atualmente cursa doutorado em Literatura na PUC-Rio e é professora substituta na Faculdade de Letras da UFJF. Publicou artigos, resenhas, contos e poemas nos jornais Plástico Bolha e Tribuna de Minas, nas revistas Estação Literária e Darandina e em sites como Amálgama e Posfácio. Em 2013, ficou em primeiro lugar na categoria poesia do V Prêmio Paulo Britto de Prosa e Poesia. Seu primeiro livro, Depois de rasgar os mapas, está no prelo.

(Para ler o conto de Laura Assis clique aqui)

Um Conto 19

Finalmente saiu a nossa décima nona edição. Juntamente com isso, voltamos a trabalhar aqui nesse site (por vezes as férias chegam ao fim). Estamos preparando alguns conteúdos novos e super interessantes para nosso leitores (a.k.a. vocês). Bem, então vamos ao que interessa: que conhecer os textos e os protagonistas da Um Conto 19? Então é só clicar na imagem abaixo que iremos magicamente te direcionar para a página de leitura.

Já está.

um conto 19

Um Conto 18

um conto 18

Demorou mas saiu, enfim, nossa décima oitava edição. E vocês não esperaram à toa: temos poetas de vários estados do país, como Rio, Bahia, Pernambuco e Minas (e um desenhista brasileiro em terras italianas, mamma mia!)  sendo que há uma mescla entre autores já publicados e outros, inéditos; gente do meio literário e gente de tudo quanto é meio. O que importa, enfim, é o que eles têm pra compartilhar com a gente; o que importa é o que conseguiram fazer com a linguagem; o que importa é o que vai sobrar (ou não) disso, nos nossos dias, após a (rapidíssima) leitura dessa nova edição. Curios@s? Não? Pois deviam. Clicando aqui, ou na capa acima, vocês caem no link pra leitura online da revista. E, ó, spoiler alert: essa edição tá ótima, e vocês mal podem esperar pra próxima. Tão boa quanto. Mesmo. Nem nós estamos acreditando. Enfim: até logo e boa leitura!

fevereiro 2013

Amanda Bruno é estudante de Letras na UFMG e escreve menos do que gostaria. Já publicou poesias na Revista Carpe Diem, no Zine Amendoim e na Revista Dezfaces. Se apresentou na Casa Barkaça, em Divinópolis, e no sarau Consoante, em Belo Horizonte.

danilo augusto

Danilo Augusto de Athayde Fraga é poeta e escritor. Por seus escritos, foi premiado nacional e internacionalmente, em concursos como “O Jornalista do Futuro”, promovido pela Associação Baiana de Imprensa e, mais recentemente, no “I Concurso Universitário Latino-Americano de Literatura”. Formado pelo Bacharelado Interdisciplinar em Humanidades pela UFBA, atualmente cursa Letras nesta mesma instituição.  Também contribuí, como ensaísta, com renomadas revistas literárias e culturais.

foto laura

Laura Assis é graduada em Letras e mestre em Estudos Literários pela UFJF e doutoranda em Literatura na PUC-Rio. Escritora com artigos, resenhas, contos e poemas publicados nos jornais Plástico Bolha e Tribuna de Minas, nas revistas Um Conto, Estação Literária e Darandina e em sites como O Bule, Amálgama, TextoTerritório e Posfácio. Produtora editorial na Aquela Editora. Publica textos (literários ou não) no blog Página 29.

 ludmila

Ludmila Rodrigues nasceu em 21 de janeiro de 1991, em Salvador, na Bahia. Em 2009, teve a primeira experiência com o livro prensado: participou da antologia baiana Poesia & Conto para todos os cantos, tendo dez páginas de contos publicados. Depois de morar em São Paulo e no sul da Patagônia argentina (Villa La Angostura), regressou a Salvador e, em 2012, publicou seu primeiro livro, O rosto na xícara — que abrange poesia e prosa poética — cuja orelha foi escrita pela consagrada escritora e componente da Academia Baiana de Letras Gláucia Lemos, lançado em maio, participando da programação de aniversário da Biblioteca Pública da Bahia. Entre idas e vindas, teve seu trabalho publicado em diversas revistas virtuais e impressas. Já planeja a publicação de Minha cabeça já não comporta tantos antigamentes, o próximo livro — que contempla apenas o gênero poesia. Atualmente, Ludmila vive em sua cidade natal, cursa Letras Vernáculas na Universidade Federal da Bahia e é também colaboradora da Revista Escrita (PR) e das agendas anuais Livro da Tribo (SP). Mantém um blog.

vanessa carvalho

Vanessa Carvalho nasceu num bairro comum do Recife, em Pernambuco, em 1995. Desde então se mudou várias vezes e atualmente mora em Igarassu/PE. Às vezes mora no filosofia de quinta e tem um problema na vista: vê tudo poesia.

nuno mello

Nuno Melo nasceu em Belo Horizonte, mudou-se 3 vezes por cidades mineiras. É estudante de Arquitetura e Urbanismo na Universidade Federal de Juiz de Fora e atualmente está em um intercâmbio em Padova, Itália. Seus temas de preferência e atuação em sua formação são Urbanismo e Planejamento Urbano e Regional, Participação Comunitária e Patrimônio Cultural. Amador como ilustrador, escritor e músico, mas gosta de se perder nas três formas de expressão. Publica seus desenhos na Pedradas Book.
raquel gaio
Raquel Gaio tenta performar a palavra e fazer do corpo uma escritura poética.