Um Conto – Edição de Janeiro

É interessante observar o comportamento dos livros nas estantes durante o período de férias. Há um ar de espera por dentre as lombadas, as cores ficam mais chamativas, e todos os que ainda não foram lidos parecem se multiplicar. E isso porque eles sabem que seus donos estão, provavelmente, com mais tempo para lê-los (o que não significam que irão ler), e comportam-se dessa maneira, querendo ganhar existência pelos nossos olhos. Por todos esses motivos, e outros mais, sabemos que a Edição de Janeiro ganhou todas essas características no segundo seguinte à sua impressão. Portanto, não a decepcione: leia-a. E conheça abaixo os colaboradores do mês:

TASSIANA FRANK (conto)

Tassiana é graduanda em Letras pela UFJF. Escreve no Encontro e Desencontros. Apreciadora de arte em sua forma mais ampla,  participa de um grupo de estudos de Ficção Cientifica e Audiovisual além de um grupo de pesquisa linguística de análise etnometodológica do discurso. Faz ballet, é cinéfila e lê compulsivamente desejando do fundo de sua alma fazer da literatura a sua pura forma de viver. Co-edita a Um Conto.

MARIANA BOTELHO (poema)

Mariana Botelho é mineira da pequena Padre Paraíso, no Vale do Jequitinhonha. Formada em educação física, escreve desde os 12 anos. Antes do lançamento de seu primeiro livro, O Silêncio Tange o Sino (Ateliê Editorial), já figurava em periódicos literários como o Suplemento Literário, de Minas Gerais. Já foi entrevistada pelo programa Imagem da Palavra, do canal Rede Minas. Mantém o blog Suave Coisa.

RUBENS DA CUNHA (poema)

Rubens da Cunha, natural de Joinville, SC. Doutorando em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina. Publicou “Campo Avesso” (2001), “Casa de Paragens” (2004), “Aço e Nada” (2007), “Vertebrais” (2008), “Crônica de Gatos” (2009). É cronista semanal do Jornal A Notícia, desde 2004. Mantém o blog Casa de Paragens. É editor, junto com o poeta Marco Vasques, da Revista Osiris – Literatura e Arte.

GEORGE VALLESTERO (poema)

George Vallestero, mineiro de 35 anos, é fotógrafo e cursa Letras na UFMG. Em 2009 criou o blog Retratos de Poesia com o intuito de promover um diálogo entre as imagens e as palavras e, sobretudo, dar vida para as suas poesias. Apaixonado pela música dos Beatles e pela poética dos poetas Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade, Murilo Mendes e Cecília Meireles, George Vallestero gosta de auto definir-se assim: “Não dito, Apenas digo… Sou isto, nada mais do que isto. Às vezes um pouco daquilo; outras, um terço disto. Mas, essencialmente… Sou isso. Isto que eu digo, bem ou mal dito, é somente isso. Partindo disto, nisto insisto e sou envolvido por isso. E, mesmo que eu diga… E Fique o dito pelo não dito; Sou basicamente isso.”

SÉRGIO BERNARDO (poema)

Sérgio Bernardo nasceu no Rio de Ja­neiro. É poeta e também escreve contos e crônicas. Come­çou na literatura em 1984 e recebeu prêmios em diversos estados do Brasil, várias cidades de Portugal e na Argentina. Está no documentário Um bonde chamado Santa Teresa (2006) falando um poema seu sobre o conheci­do bonde desse bairro carioca. Participou, em maio de 2009, das Jornadas Pessoa-Crowley, realizadas pela Casa Fernando Pessoa, em Lisboa, Portugal. Em setembro de 2011, foi convidado a dar palestra para estudantes na 2ª edição da Festa Literária de Marechal Deodoro (Flimar), em Alagoas. Foi o curador do Encontro Literário Sesc Nova Friburgo, realizado entre os dias 18 e 22 de outubro de 2011, contando com oficinas, palestras, roda de poesia, exposição de poemas e sarau literário. Figura em antologias no Brasil, Uruguai e Portugal. Publicou, em 2005, Caverna dos signos (poesia e narrativa), a convite da Secretaria de Cultura de Nova Friburgo/RJ, cidade onde mora. Em 2010, lançou Asfalto (poesia), pela editora Selo OFF Flip, lançado em agosto de 2010 em Paraty/RJ. Assina a coluna Sem poesia não dá, em parceria com o escritor Rodrigo Domit, no jornal virtual Sobrecapa Literal.

CLÁUDIO ROSA (poema)

Cláudio Rosa é um cara na casa dos 30, paulistano, escritor, roteirista, tradutor e dramaturgo. Teve textos publicados no livro Dedic Escreve Coletânea de Contos, Poesias e Crônicas, no jornal RelevO. Bloga no O Número 8, e é co-fundador e colunista no coletivo Texto de Garagem. Amante do bom cinema e do bom futebol, mesmo que ambos sejam coisas raras hoje em dia.

MARCO PAULO (desenho)

Marco Paulo é um jovem que gosta de aprender pelos livros e com o contato com pessoas de várias idades e  lugares. Está sempre na busca de aprimorar-se como pessoa e ainda tem esperança de que tudo pode ser resolvido se as pessoas acabarem com sua ignorância.

Anúncios

Bartolomeu Campos de Queirós (1944-2012)

Em novembro de 2011 estivemos presentes numa mesa redonda na qual Bartolomeu foi convidado, no Festival Literário de Cataguases. A vontade era ter em mãos papel e caneta para anotar todas as suas memoráveis falas. Além de premiado poeta, um ser humano que via na literatura um meio de transcendência humana, constantemente apoiando inúmeras iniciativas pró-leitura, como o Movimento por um Brasil Literário. Essa é a simples mas sincera homenagem da Equipe Um Conto.

Vá em paz, Bartô.

Manuscrito inédito de “A Hora da Estrela”

Em seus últimos anos de vida, Clarice Lispector escrevia fragmentos de suas obras em pedaços de papel, guardanapos, folhas de cheque e maços de cigarro. A maioria destes eram recolhidos por sua assistente Siléa Marchi e guardados num envelope, onde, posteriormente, a escritora os retirava e organizava para montar a história.  Algumas dessas anotações não entraram em nenhum livro, e fazem parte dos famosos e raros manuscritos inéditos da autora. Dentre estes, o mais recente divulgado foi um fragmento de A Hora da Estrela. Nessa bela passagem, que não entrou no livro, Clarice menciona a protagonista  Macabéa – talvez sua personagem mais famosa:  “Macabéa não sabia como se defender da vida numa grande cidade. Ela que tinha um sonho impossível: o de um dia possuir uma árvore. Que árvore, que nada: não havia nem grama sob os seus pés”.

Nesta página manuscrita, Marchi identifica o fragmento para a arquivação: “Macabéa quando vem para o Rio”.

Fonte

Um Troco

Queridos leitores, temos uma notícia para vocês. Ao iniciar o ano, fizemos um breve balanço de tudo que aconteceu em 2011. Chegamos à conclusão de que o preço cobrado pela revista no ano passado estava errado, o valor correto seria R$0,99. Como gostamos de ser retos com aqueles que nos mantêm na ativa, decidimos dar o troco (não no sentido pejorativo). Portanto, devolvemos o dinheiro de vocês com uma edição especial, com tudo aquilo que nos foi mandado e não entrou na revista mas que, de alguma forma, merece ser lido. O resultado está aí em baixo. A revista pode ser lida online ou pode ser baixada (GRATUITAMENTE – é claro) na nossa página de downloads.

Um bom troco para vocês.

Mixtape de Dezembro

Aí está a mixtape criada com as indicações dos colaboradores do mês de dezembro. A faixa escolhida pela Equipe Um Conto foi “In the morning”, do novo álbum da Mallu Magalhães, Pitanga, resenhado aqui. Clique no play e aproveite:

1. Bells – Lhasa de Sela (Ondjaki)

2. In the morning – Mallu Magalhães (Equipe Um Conto)

3. Deusa do Amor – Moreno +2 (Tiago Rattes)

4. Dia Branco – Geraldo Azevedo (Renan Duarte)

5. Neguinho – Gal Costa (Danilo Lovisi)

6. A Flor – Los Hermanos (Anita Assis)

7. Amendoim – Pato Fu (Alice Monnerat)

8. Sir Duke – Stevie Wonder (Lucas Viriato)