Uma mixtape dupla, um vídeo-poema et plus

Image

Tardamos mas não falhamos! Pra suprir o mega atraso, a fitamista vem em dose dupla, com quase 1 hora de duração, trazendo as indicações musicais dos colaboradores de novembro e dezembro, além de dois poemas em áudio: “Honey Boo”, da poeta portuguesa Matilde Campilho, que aparece em áudio na mixtape e em vídeo-poema logo abaixo, e “I Will Wade Out”, de e. e. cummings (que você também lê logo abaixo) musicado pela Björk na sua “Sun In My Mouth”.

Música (e poesia) não vai faltar pra ilustrar seu ócio criativo virtual nesse verão. Temos desde Wado, Marcelo Camelo, Caê, Tom Zé e Chico, passando por Choir of Young Believers, Dirty Projectors, Mercedes Sosa (!), Vitor Ramil, Issa BagayogoQuantec. Uma mistura, no mínimo, absurdamente curiosa. O resultado vocês conferem no player aí arriba. E aqui abajo, o vídeo-poema de Matilde Campilho e o poema de e. e. cummings.

i will wade out – e. e. cummings

i will wade out
                        till my thighs are steeped in burning flowers
I will take the sun in my mouth
and leap into the ripe air
                                       Alive
                                                 with closed eyes
to dash against darkness
                                       in the sleeping curves of my body
Shall enter fingers of smooth mastery
with chasteness of sea-girls
                                            Will i complete the mystery
                                            of my flesh
I will rise
               After a thousand years
lipping
flowers
             And set my teeth in the silver of the moon

Mixtape de Outubro

 

Ainda nas nossas comemorações de Um Ano, eis a mixtape montada pelos convidados da edição. Esse mês temos desde Elomar até Radiohead, começando com um poema de Wislawa Szymborska (recitado pela Juliana Bratfisch) e fechando com Vestidos, de Bruna Beber. Uma fitamista para todos os públicos. É para ligar o som e fazer a nossa festa aí na sua casa.

Mixtape de Setembro

E, voilá! Nossa fitamista de setembro já está no ar! Com as indicações musicais dos colaboradores do mês, temos dessa vez um conjunto bem eclético, mas que se assemelha por alguns tons (sonoros) de cinza, mesmo em tempos de primavera. E falando nisso, o poema que abre a fita é “Quando vier a primavera”, de Alberto Caeiro, declamado por Pedro Linhares (você pode assistir aqui), que já chega quebrando romantismos primaveris com sentenças de cunho existencial. Em seguida, pra trazer um pouco mais de leveza, Daughter canta sua bela “Smother”, num fantástico crescendo, culminando na “It’s a long way”, do já-senhor-de-70-anos Caetano Veloso. Em seguida, Kiko Danucci Juçara Marçal trazem a “Vias de fato”, que abre caminho para o tapa na cara de Sérgio Sampaio com sua “Roda Morta”. Próximo ao fim, chega Lou Reed e seu “Perfect Day”, que caminha ao lado da quase-hino “Último Romance”, do Los Hermanos. Pra fechar, embarcamos num trem com um único destino: Brasil. É o senhor Heitor Villa-Lobos que traz tons épicos para nossa mixtape com seu inesquecível “O Trenzinho do Caipira”. Pra sentir tudo isso é só um clique, o resto fica com as canções. Boa viagem!

Mixtape de Agosto

Nossa clássica mixtape já está no ar, com as sugestões dos colaboradores de agosto. Pra abrir a sessão musical do mês, selecionamos um poema fresquinho do Diego Grando, sendo declamado pelo Alexandre Kumpinski (vocalista da banda Apanhador Só), seguida dos gritos de Gal Costa (na juventude Índia) em “Relance”.”I Call It Love”, de Emilie Simon, vem mantendo o groove com todo um clima apaixonado e setentista, abrindo espaço para a voz gostosa de Itamar Assunção  em “Custa Nada Tentar”. Glady Nights & The Pips Nicolas Jaar chegam para dar aquela aliviada, com um som instrumental / transcedental. E já que é pra matar, tem também Mercedes Sosa, prenunciando o gran finale, com a bruta flor do querer de Caetano Veloso. Os (corações) fortes sobreviverão!

A festa está pronta. É só dar o play.

 

Mixtape de Julho

Aí está, finalmente, nossa mixtape de julho, montada com as indicações musicais dos colaboradores do mês. Como nas últimas fitas, temos como abertura um poema, dessa vez o “Tradado geral das grandezas do ínfimo” do pernambucano Manoel de Barros, interpretado por AbujamraEm seguida a percussão marcante e sensual de Streets Bloom, da CéU, surge vibrando nos fones, seguida de Karina Buhr e dos Grilos de Erasmo Carlos. A viagem continua para o extremo norte, ao som da islandesa Björk com Pagan Poetry, que com suas notas suaves abre caminho para a hipnotizante The Rip, do Portishead. Finalizando, temos Esse Homem, canção de Kaio Bruno (colaborador de julho) e o poema “é uma lovestory e é sobre um acidente” de Marília Garcia, que você pode ler e assistir (!) clicando aqui. A mixtape, é claro, você escuta logo abaixo.

Mixtape de Junho

A partir desse mês nossas fitamistas ganharão um toque mais, hm, poético: serão sempre iniciadas com algum poema em áudio. Para começar bem, temos Chico Buarque (aniversariante do mês) declamando “Os Inocentes do Leblon”, do Drummond (homenageado da próxima Flip). Em seguida, surgem os leves acordes da hypada “Somebody That I Used To Know”, do Gotye (confiram o belo clipe aqui), acompanhada por “Jesus, Etc.”, do Wilco, nos levando para uma cidade onde ‘voices escape singing sad sad songs’. Correndo a viagem, chegamos ao Brasil, recebidos pelo “Vampiro” de Caetano Veloso e pela “Vou me afundar na lingerie”, canção xuxu beleza de Arnaldo Baptista, que abre caminho para a interpretação arrepiante de Elis Regina em “Cartomante”, derrubando reis de espadas, ouros, paus, até não ficar nada, apenas a não menos densa “Shattering Sea” da estreante nas nossas mixtapes Tori Amos, abrindo um ciclo para que every line, curve, twist and turn of a brutal word sejam dissolvidas na experimentalista “Ionisation” de Edgard Varèse. No mais, ouçam essa que é uma das mixtapes mais harmônicas e fluídas que já tivemos por aqui. É só clicar no player abaixo e aproveitar:

Mixtape de Maio

A mixtape desse mês está um pouco diferente. Além de maior (9 músicas!), vocês poderão entender o porquê da escolha de certas canções, devido ao fato de que alguns colaboradores nos enviaram, involuntariamente, alguns comentários justificando suas escolhas, emotivas e interessantes. No mais, é só dar o play e curtir essa  fita beeem mista.

– A Prisca Agustoni sugeriu três músicas e explica porquê: “[É] cruel pedir apenas uma música. Terrível fazer essa escolha… Nossa! Tem um monte de músicas fundamentais para mim, ai… Agora realmente ficou difícil. Posso sugerir pelo menos 3? [Claro que pode, Prisca!]

1) “La canción del elegido”, de Silvio Rodrigues: “Silvio Rodriguez me lembra a viagem de mochileira que fiz em Cuba, rodando o país de ponta a cabeça em trem, e os muitos amigos queridos da época da faculdade com os quais nos reuniamos para tocar e cantar essas músicas. Saudades deles e das noites de trovas!

2) “Ode to my family”, dos Cranberries: “A música dos Cranberries me lembra quando fui morar sozinha, com 18 anos, numa cidade cosmopolita como Genebra (160 nacionalidades para 400 mil habitantes!), onde eu não conhecia realmente ninguém! Fui para estudar Filosofia e Letras Hispânicas, e nas primeiras semanas era eu, minhas músicas, os livros e a escuridão das noites de inverno.”

3) “Estácio, Holly Estácio”, do Luiz Melodia: “Já o Luiz Melodia, bem, eu comecei a aprender português ainda na Suíça, lendo poesia brasileira e escutando essas músicas. Em particular, adoro o LP Pérola Negra do Luiz Melodia. Adoro, adoro!

– O Fred Spada escolheu “Cais”, de Milton Nascimento & Lô Borges: “Vejo o cais como a própria poesia: ancoradouro, porto seguro, chão primeiro de quem navega a palavra, e ao mesmo ponto de partida, chão último e propulsor de quem navega a mesma palavra em direção à liberdade criativa dos sentidos.”

A Mayara Peixoto escolheu “Tô fora”, de Roberta Sá & Trio Madeira Brasil: “Na minha opinião, a letra dessa música é de um lirismo puro e simples, bem brasileiro. A melodia é muito bem trabalhada, delicada e vigorosa. Merece ser conhecida por quem gosta de samba.”

É isso! Quer ouvir as mixtapes passadas? É só visitar nossa página no 8tracks.com clicando aqui.