Livros que você precisa ler em 2013

livros que precisa ler

O ano mal começou e o mercado editorial já chega com algumas promessas. A Companhia das Letras já anunciou que esse será o ano das narrativas ficcionais brasileiras, prometendo fechar 2013 com um número de, mais ou menos, 16 romances produzidos em terras tupiniquins. A Intrínseca também prepara seu primeiro lançamento neste circuito e a Cosac Naify tem planos de aumentar sua frequência de romances brasileiros. Com todas essas notícias, nós selecionamos alguns dos prometidos que, com certeza, figurarão nas nossas listas de livros lidos em 2013. São eles:

Divórcio, de Ricardo Lísias. Será lançado pela Alfaguara, ainda sem data prevista. É promessa por conta, é claro, das polêmicas da Granta e da capacidade que conhecemos do autor de O céu dos suicidas.

Edifício Midori Filho, de Andrea del Fuego. Cara, ela escreveu Os Malaquias e teve cinco grandes editoras no pé dela e recusou oferta de quatro para publicar o novo romance com a Companhia das Letras. É de se esperar menos?

Rabo de Baleia, de Alice Sant’Anna. Bem, a Alice a gente já conhece, né? Pelo título do livro, acreditamos que essa lindeza que foi publicada na nossa edição de aniversário (quadro 3, e você pode ver aqui) estará presente nesse novo número da coleção de poesia da Cosac Naify. (E ainda podemos tirar onda que publicamos primeiro)

Desde que eu te amo sempre, de Cecilia Giannetti. Mais um da coleção “Amores Expressos” da Companhia das Letras. Segundo a autora em uma conversa recente que tivemos, o livro já está pronto há um bom tempo e estava tendo problemas para ser publicado. Mas parece que desse ano não passa e, enfim, conheceremos o sucessor de Lugares que não conheço, pessoas que nunca vi. Ah, a gente ainda teve a oportunidade de ouvir a autora lendo um trecho do romance e, sim, é bom.

O novo livro do Chico Buarque. Esse aí não precisa falar nada. Não tem título ainda e a Companhia não sabe se o autor/compositor/deus vai entregar o romance esse ano. Mas mantemos os dedos cruzados e esperamos fechar 2013 com algo, se possível (é possível?), melhor que Leite derramado.

Nossa parceira, Laura Assis, produtora editorial da Aquela Editora, em uma conversa informal (via Facebook), contou pra gente quais são seus livros mais aguardados desse ano:

Faíscas, de Carol Bensimon (Companhia das Letras)

Digam a Satã que o recado foi entendido, de Daniel Pellizzari (Companhia das Letras)

A tristeza extraordinária do leopardo-das-neves, de Joca Reiners Terron (Companhia das Letras)

Distância, de Otávio Campos (Aquela Editora) – aí a gente aproveita e faz aquela propaganda do autor e da editora que, é claro, não podia faltar.

Trovadores elétricos, de Anderson Pires (Aquela Editora) – este último já está com lançamento previsto para o dia 9 de março e o booktrailer você confere agora:

Bom, nosso objetivo agora é ter, durante o ano todos esse livros em mãos e compartilhar com nossos leitores aquelas famosas resenhas, de muito bom gosto e com técnicas super apuradas. Tá esperando algum livro e ele não está aqui? Deixe nos comentários.

Mixtape de Junho

A partir desse mês nossas fitamistas ganharão um toque mais, hm, poético: serão sempre iniciadas com algum poema em áudio. Para começar bem, temos Chico Buarque (aniversariante do mês) declamando “Os Inocentes do Leblon”, do Drummond (homenageado da próxima Flip). Em seguida, surgem os leves acordes da hypada “Somebody That I Used To Know”, do Gotye (confiram o belo clipe aqui), acompanhada por “Jesus, Etc.”, do Wilco, nos levando para uma cidade onde ‘voices escape singing sad sad songs’. Correndo a viagem, chegamos ao Brasil, recebidos pelo “Vampiro” de Caetano Veloso e pela “Vou me afundar na lingerie”, canção xuxu beleza de Arnaldo Baptista, que abre caminho para a interpretação arrepiante de Elis Regina em “Cartomante”, derrubando reis de espadas, ouros, paus, até não ficar nada, apenas a não menos densa “Shattering Sea” da estreante nas nossas mixtapes Tori Amos, abrindo um ciclo para que every line, curve, twist and turn of a brutal word sejam dissolvidas na experimentalista “Ionisation” de Edgard Varèse. No mais, ouçam essa que é uma das mixtapes mais harmônicas e fluídas que já tivemos por aqui. É só clicar no player abaixo e aproveitar:

Escoliose – uma coluna #3

“NÃO SE AFOBE QUE NADA É PRA JÁ”

Ou sobre forró, Rio+20 e uma canção de Chico

por Tassiana Frank

Terça-feira, dia 19 de Junho. Noite, calor, Rua do Ouvidor, Rio + 20, véspera de feriado. Estar em um forró lotado só reforça a ideia que martelava minha cabeça: juventude alienada: controle e televisão. O governo sucateando a educação e gastando uma pequena fortuna para mostrar para o mundo que o Brasil se importa sim com a sustentabilidade do planeta. Gastando com a sustentabilidade, tudo certo! Continuar lendo

Mixtape de Novembro

A partir desse mês, teremos uma mixtape por edição. Isso significa que cada colaborador indicará uma música, formando assim uma lista musical que poderá, ou não, ter alguma congruência artística. Uma surpresa a cada mês.

A de novembro ficou assim:

1. The Glory Hole – Thaís Gulin (Equipe Um Conto)

2. Tipo Um Baião – Chico Buarque (Otávio Campos)

3. Jederê – Banda Matilda (Juliana Stanzani)

4. Zambelê – Quinteto São do Mato (João Paulo Siqueira)

5. Blackbird – The Beatles (Paula Vasconcelos)

6. Carry The Zero – Built to Spill (Laura Assis)

7. Don’t Look Back In Anger – Oasis (Thomas Frizeiro)

8. Blues In The Night – Little Milton (Joyce Scoralick)