A leitura entre destroços

Coleção de ruínas, de Frederico Spada Silva, é uma obra que se sustenta

Otávio Campos

nbhiw

Holland House Library after an air raid, 1940. (Fotógrafo desconhecido)

Em uma das poucas críticas de Distância que veio ao público, Tiago Rattes compara, talvez ingenuamente, meu livro a uma estante de referências – me lembro da fotografia de um disco na publicação impressa, por isso, não sei, acho que ele escreveu qualquer coisa sobre os poemas como canções. A imagem da estante, entretanto, me ficou de alguma forma, a ponto de não abandoná-la mais ao ler poesia: e não seria esse livro, como qualquer outro livro, uma estante de referências? Sim, todos são. Alguns tentam esconder a ideia, não sei se de forma consciente, outros exploram essa fratura ao limite, como T. S. Eliot, por exemplo, em “The Waste Land” – um poema quase fechado ao público. Existe, contudo, um terceiro grupo, se assim posso chamar, que transita entre lá e cá: um poema que se esconde entre estantes, mas de bibliotecas públicas, abertas, arejadas e levemente movimentadas. Ultimamente, tenho me deparado com milhares de livros que se encaixam na terceira vertente, a maioria deles, obviamente, não consegue se sustentar e cai nos clichês habituais. Outros enganam, mostram o clichê, e exploram o clichê ao revés do senso comum, em uma atitude quase kitsch, mas o kitsch abduzido pelo silêncio e a sobriedade da biblioteca.

Coleção de ruínas, de Frederico Spada Silva, é um desses livros que conseguem se sustentar. A biblioteca, aqui, está fragmentada, tomada,­ destruída, como na fotografia “Holland House Library after an air raid, 1940”, que compunha a capa de sua primeira impressão, uma edição hors commerce, em 30 exemplares numerados, que foram distribuídos dentro de um pequeno circuito no meio desse ano. Nas ruínas das estantes de livros folheia-se o esquecimento “entre dois muros / de meio-couro”, em nove poemas, a maioria destes diminutos. O sintetismo do poeta, como se percebe no poema de abertura, “Arquivo” (Colecionava miudezas, / pequeno e íntimo / museu de fragmentos / coletados ao acaso – / como a própria vida.), é marcado desde seu primeiro livro, Arqueologias do olhar (Funalfa, 2011), mas, enquanto lá há uma certa preocupação com os “desmazelos da palavra”, no limite Manoel de Barros da poesia, a Coleção de ruínas acerta no minimalismo cru, quase simetricamente construído, apesar dos versos livres.

Da biblioteca destruída recolhem-se cacos de referências, como as seis fotografias que compõe a seção “Geografia do abandono”. Em uma rápida busca ao Google com o título dos poemas, encontram-se os referidos locais: um teatro, um palácio, uma casa, um farol, abandonados, tomados, destruídos, como as ruínas da biblioteca. Não se perde na leitura dos poemas sem o conhecimento das fotografias, são experiências distintas; mas um olhar atento à imagem antes ou depois expande, explode, extrapola a imagem do poema, propiciando com tamanha exatidão o dito “salto mortal” da leitura de poesia, de acordo com Octavio Paz. Abaixo, um exemplo desta leitura:

blog

Um convite a atravessar as ruínas da língua, em poemas que, antes de pretenderem-se agir diretamente sobre o real, ser descrição de lugares marcados na fotografia, ganham mais como exercício do símbolo. Na epígrafe, como uma chave, denuncia-se o caminho: “Atravessar a língua, / esta grande fratura / exige silêncio e mapas”[i]. Como se percebe, a leitura silenciosa é a que mais colabora para a fruição do livro. Uma leitura entre destroços. Coleção de ruínas, sem dúvidas, é um trabalho que consegue se equilibrar entre os clichês de bibliotecas, lugares marcados, minimalismos forçados. Não se procura mais a calma, como Frederico parecia fazer no primeiro livro, mas incita-se a desordem, através de fragmentos que buscam a construção de uma voz (“(…) magna mater / de todas as palavras”) nunca encontrada.

A plaquette está sendo agora reeditada pelas Edições Macondo, e é o segundo volume da coleção Cadernos de ausências (nunca houve junção de títulos mais adequada). No corpo do texto utilizou-se uma tipografia próxima à da primeira edição, imitando uma máquina de escrever antiga – o que auxilia ainda mais a experiência de leitura.

blog2

Apesar de já circular por um tempo no meio digital, espera-se que, com essa reedição, a obra consiga agora encontrar outros públicos, sem o perigo de cair no esquecimento prematuro (uma biblioteca abandonada) que tanto afeta as últimas publicações em poesia.

_____________________________________________

[i] A epígrafe é do próprio autor, publicada sob o título “Tradução” em: http://www.germinaliteratura.com.br/2012/frederico_spada_silva.htm
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s